terça-feira, 1 de janeiro de 2008

Amigo imaginário


Ninguém pode sentar naquela cadeira, pois ela está ocupada pelo Dudu. O Dudu não gosta de ir cedo para a cama e só vai dormir quando ele quer. O Dudu consegue fazer coisas incríveis. Foi o Dudu que quebrou o copo e fez a bagunça na sala, espalhando todos os brinquedos. O Dudu é o companheiro de muitos momentos de brincadeiras, de longas conversas, de amplas discussões e frequentemente sofre fortes reprimendas. De tudo ele participa, em todos os lugares ele está presente. É um companheiro fiel e solícito, sempre pronto para servir de exemplo, para actuar como cúmplice e para assumir culpas por coisas erradas. Nunca reclama e não desiste de suas funções até ser dispensado.
Dudu é um amigo imaginário. Mas na cabecinha de uma criança entre os dois e três anos é um personagem real, concreto e de grande importância. Ele tem muitas funções: torna-se amigo em horas de solidão, consegue realizar o que a criança tenta conseguir e evidencia o que a criança gostaria de esquecer ou de lembrar. Frequentemente tem defeitos e é o culpado por atitudes erradas praticadas pela criança. Os amigos imaginários começam a surgir entre os dois anos e meio e os três anos, são geralmente abandonados quando a criança entra na escola. Quando as crianças tornam-se mais crescidas, alguns conceitos mágicos, tão belos, úteis e necessários, vão ficando para trás pois não se enquadram num contexto mais maduro. Mas em certos momentos fazem falta, mesmo quando se é adulto.

2 comentários:

lojadaslobitas disse...

Realmente quando somos crianças vivemos num mundo mágico em que tudo é perfeito e muito doce.
Um ano de 2008 cheio de coisas boas e muitas alegrias e saúde.
Tudo de bom
As lobitas

antoniop disse...

O António tem uma amiguinho imaginário já há muito tempo. Fala com ele, brinca e pede brinquedos para ele. Diz q está doente e que ele precisa de benuron. Pede para lhe meter-mos o termómetro poruqe tem febre. Por vezes somos nos que falamos no amiguinho imaginário...

Carlita