domingo, 6 de janeiro de 2008

Discipline-o

Aos pais compete controlar os filhos e fazê-los ver que a agressividade não é remédio para a frustração.
Bater nos outros, mandar com os brinquedos ao chão, pontapear uma porta: qual é a criança que nunca se comportou desta forma? Aos pais compete controlar os filhos e fazê-los ver que a agressividade não é remédio para a frustração. O pediatra norte-americano Berry Brazelton explica como:
- Tente controlar a agressão. É importante acalmar os ânimos. Se for preciso, segure no seu filho com firmeza. Se o problema envolver duas crianças à bulha, separe-as imediatamente de forma decidida.
- Repita as regras da boa convivência mesmo que o seu filho já saiba a cantilena toda de cor. Seja firme e faça com que ele diga - e assimile - que «não se bate nos outros», seja lá qual for a razão.
- Ensine o seu filho a saber reconhecer o estado emocional em que se encontra. Ajude-o a dar nome às emoções. É uma forma de desenvolver o auto-controlo.
- Quando a criança estiver mais calma, é tempo de introduzir a disciplina. Ajude-a a perceber as implicações do que aconteceu e a sua responsabilidade na situação. O que é que despoletou o acesso de raiva? Mostre-lhe que ela é capaz de se controlar se fizer um esforço.
- Não ralhe só por ralhar. Tente perceber porque é que o seu filho agiu de forma agressiva. Pode haver razões subjacentes que necessitem de ser trabalhadas.
-Pedir desculpa é fundamental. Mas atenção, pedidos esfarrapados não contam. É preciso que a criança aprenda a ser sincera. Mostre-lhe as consequências de não assumir os erros e não pedir desculpa. Se ela necessitar de algum tempo para pensar no assunto, dê-lho. As crianças não se tornam maduras de um momento para o outro.
- Seja benevolente e aceite as desculpas. Desta forma, estará a ajudar o seu filho a restaurar a crença na sua própria boa-vontade e isso também é importante.

Um comentário:

antoniop disse...

Ha um jogo fantástico q se chama "caixinha de emoções" esse jogo faz parte do projecto curricular da escola do António. Foi assim q ele apreudeu a falar e a identificar os sentimentos e estados de espirito dele.

Na idade dele 4 anos sabes como o castigo? Vai pensar....vai pa um cantinho pensar. Quando estiver calmo volta e pede sempre desculpa. Com ele resulta lindamente. Mas não é fácil para mim...
Mas estamos sempre a aprender e com ele todos os dias aprendo imenso.
Beijinho
Carlita